Balneabilidade do Rio da Madre preocupa a Reserva Mundial de Surf

Geraldo, Caio, Sandro Vidal, Dr. Guilherme, prefeito Camilo, Kito, Artur, Adriano e Gabriel (esq. p/ dir.)

Representantes do Comitê Gestor Local da Reserva Mundial de Surf (RMS) da Guarda do Embaú, praia que integra a rede global da Save the Waves Coalition (STW) para proteção das ondas, estiveram reunidos na última segunda-feira, 29, no gabinete do prefeito de Palhoça, Camilo Martins, para solicitar fiscalização urgente e contínua dos órgãos competentes referente à possibilidade de lançamento de esgoto no Rio da Madre e sugerem uma campanha de comunicação para informar a comunidade sobre a atuação desta fiscalização.

Segundo documento entregue ao mandatário, que também foi assinado pelos representantes das Associações de Surf, Pescadores, Comunitária, Canoeiros e Barraqueiros, “a comunidade da Guarda do Embaú tem interesse em participar ativamente na construção do modelo de desenvolvimento para a região, e expressa neste documento, inquietações, dúvidas e anseios em relação ao planejamento, presente e futuro, no que concerne a questão da balneabilidade do Rio da Madre.”

Esta preocupação já tinha sido tema de outro documento entregue à vigilância sanitária de Palhoça pela Associação Comunitária, em 30 de novembro de 2017, quando alertava sobre o problema.

O documento entregue na oportunidade destaca também “que vivem na localidade dezenas de famílias devidamente registradas nas colônias de pesca que sobrevive da pescaria tradicional e dependem diretamente da manutenção dos recursos naturais, em especial os recursos hídricos, assim como, o restante da população local, que mantém sua atividade econômica ancorada no turismo e no comércio, cujo indício de falta de saneamento é também questão de saúde pública.”

Atento aos questionamentos, o prefeito disse que o “período intenso de chuvas altera muito o lençol freático e culmina com picos de balneabilidade imprópria, mas vai colocar o assunto na pauta da vigilância sanitária para agilizar a fiscalização e tentar conter abusos que possam estar poluindo o rio”.

A reunião contou ainda com a participação do Dr. Guilherme Dallacosta, membro da Comissão do Meio Ambiente da subseção da OAB de Palhoça, que de agora em diante estará acompanhando e será um importante apoio nas questões jurídicas que envolvem as ações da Reserva Mundial de Surf (RMS).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − dois =

55 + = 58